atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Usina Vertente investe R$ 130 mi para chegar a 2,5 mi/t de cana processada

19/09/2012 Cana-de-Açúcar POR: Agência UDOP de Notícias
A Usina Vertente, de Guaraci/SP, iniciou a safra 2012/13 com expectativa baixa, mas as chuvas dos meses de maio e junho recuperaram os números da unidade. A estimativa agora é moer 1,6 milhão de tonelada de cana-de-açúcar. Nos próximos dois anos, a unidade quer dobrar a capacidade de moagem e deve investir R$ 130 milhões.
 
Apesar dos números de moagem animadores, o índices de açúcares totais recuperáveis (ATR), da unidade foram prejudicados pelas chuvas. Hoje a Vertente está com o ATR em 126 quilos por tonelada de cana. "É uma perda muito grande. A usina está moendo com 3 a 4% menos de ATR", diz o diretor executivo, Hugo Cagno Filho, destacando o comparativo entre a atual safra e a passada.
 
A Usina Vertente é uma unidade moderna e já conta com plantio e colheita 95% mecanizados. Segundo o diretor executivo, a mecanização da colheita trouxe perda na produtividade. "Temos que nos acostumar. Não teremos mais ATR altos como antes, nem mesmo produtividade média por hectare. Mas é uma nova metodologia e temos que nos adaptar", explica.
 
Nos próximos dois anos, a unidade quer dobrar a capacidade de moagem, passando de 1,6 milhão de toneladas de cana para 2,5 milhões. "Estamos fazendo um investimento bastante grande e arrojado. Já começamos este trabalho e devemos investir um valor na ordem de R$ 130 milhões, fora a parte agrícola que estamos crescendo bastante", ressalta Cagno.

Além dos investimentos no parque industrial, a unidade investiu na renovação de 4 mil hectares e no plantando de mais 4 mil hectares de cana. "Ainda precisamos plantar muito mais para poder atender os 2,5 milhões de tonelada de cana que almejamos", finaliza o diretor executivo.
 
A Usina Vertente possui uma gestão compartilhada entre os sócios, Grupo Húmus Agroterra e a Guarani. A unidade iniciou suas atividades na safra 2004/2005 e produz etanol anidro (para adição à gasolina), hidratado (utilizado diretamente como combustível), açúcar e bioeletricidade.