atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Uso de mapas de biomassa na agricultura - uma estratégia moderna de manejo

26/07/2019 Meio Ambiente POR: Revista Canavieiros
Por: Alessandra Durigan


O conceito de biomassa na agricultura é a quantidade total de vegetação que pode ser encontrada em uma determinada área, sendo que o monitoramento e estimativa da quantidade de biomassa da cana-de-açúcar são de significativa importância no planejamento das atividades que envolvem todo o processo produtivo como plantio, tratos e colheita.

A cultura da cana-de-açúcar tem destaque importante no desenvolvimento da atividade agrícola do país, principalmente do Estado de São Paulo, onde está concentrada a maior produção. Por se tratar de uma atividade agrícola onde se aplicam muitas tecnologias, é necessário a obtenção de informações diferenciadas que caracterizem o ambiente agrícola para o seu monitoramento e gerenciamento.

O uso de mapas de biomassa na agricultura é uma estratégia moderna para mapear o desenvolvimento vegetativo da cultura por meio da captação de informações através de imagens fornecidas por satélites ou drones. Usando índices de biomassa, ou seja, índices de vegetação, podemos identificar possíveis problemas que podem indicar, no caso de baixa biomassa, problemas de fertilidade do solo, falhas de plantio, pragas ou doenças e manchas de alta biomassa, indicando a presença de alta população de plantas daninhas. Com esses dados em mãos, o engenheiro agrônomo poderá definir pontos para fazer amostragens com o objetivo de detectar in loco o que de fato está ocorrendo no canavial e providenciar o tratamento adequado, se necessário.

Dessa forma, o controle torna-se mais efetivo e racional porque muitas vezes não se faz necessário tratar todo o talhão e sim parte dele ou somente reboleiras, evitando o uso excessivo de defensivos e fertilizantes. O controle é focado apenas nas áreas críticas, facilitando o planejamento e manejo agronômico e, acima de tudo, assegurando a sustentabilidade do negócio.

As imagens por satélites permitem o levantamento de grandes áreas em um curto espaço de tempo. Já os drones levantam uma área menor, no entanto, se destacam por não sofrerem interferências de nuvens, disponibilizando dados altamente detalhados.
Sendo assim, o usuário deve escolher qual das alternativas lhe atenderá da melhor forma, ou até mesmo o uso em conjunto das duas soluções para um melhor gerenciamento da lavoura.

O mapa de biomassa integra o conceito de variabilidade espacial da lavoura e os índices de vegetação, possibilitando gerar um mapa que apresenta a diferença entre as áreas dentro de um talhão, indicando manchas que podem estar associadas a pragas, doenças, plantas daninhas, deficiência de nutrientes, etc.
Veja exemplo de um mapa de biomassa: as áreas em vermelho são aquelas que apresentam menor índice de biomassa e as em verde são as que apresentam maior índice.
 
Com um mapa desse (em destaque na capa da matéria) é possível detectar as áreas no talhão em que a cultura está com possíveis problemas. O produtor visualiza manchas que eram impossíveis de serem vistas de fora da lavoura, possibilitando um melhor planejamento, organização e execução dos processos de produção.

É importante dizer que o uso de tecnologias com o objetivo de redução de custos de produção e incrementos de produtividade é o caminho para alcançarmos melhores resultados.

A Canaoeste disponibiliza esse trabalho aos produtores associados através de uma parceria com a empresa Idgeo, que utiliza a tecnologia de coleta de imagens via satélite. Converse com um agrônomo responsável nos escritórios regionais e ele o informará  detalhes sobre esse assunto, além de esclarecer as suas dúvidas.
 
* Alessandra Durigan  é gestora técnica da Canaoeste