atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Conjuntura doce

31/01/2020 Agronegócio POR: Marino Guerra
Conjuntura doce A praia está muito bonita, mas se o tsunami chegar, apenas um guarda-chuva não será suficiente para se salvar

Mercado internacional açucareiro começa a perder o amargor dos últimos anos

Sim o mundo está uma bagunça, apenas no primeiro mês de 2020 a humanidade já ficou apreensiva com o potencial surgimento de uma guerra que poderia ter o viés nuclear (Conflito Estados Unidos e Irã) e ainda enfrenta a possiblidade de uma pandemia global causada pelo Coronavírus, surgido na China, justamente um dos maiores mercados consumidores do planeta.

O que esperar para fevereiro? Nem os mais eficazes leitores da geopolítica mundial conseguem fazer uma previsão a qual assegurem pelo menos com 50% de certeza que determinado cenário vai acontecer.

Se o mundo está assim, era para o mercado de açúcar estar totalmente descabelado, pois quem o acompanha sabe que é sem dúvida nenhuma uma das commodities mais imprevisíveis negociadas pela humanidade.

E por incrível que pareça, no meio desse tornado, surge um oásis, pelo menos sob o ponto de vista dos produtores brasileiros, uma praia paradisíaca do Caribe traduzida em gráficos, cujo o por do sol no horizonte é desenhado pela queda, quase que consolidada, na safra de importantes produtores e consumidores como Índia (cerca de 20%), Tailândia (queda de 15%) e Estados Unidos (9% menor).

Assim, os principais especialistas do mercado já apontam para uma natural retomada do mix açucareiro para a safra 20/21 no Centro-Sul (de no máximo 10%), ainda mais porque no meio dessa bagunça o valor do petróleo se desidratou bastante aliada com o aumento provável da produção de gasolina em decorrência da mudança no tipo de óleo para embarcações, menos poluente, que entrou em vigor a partir de primeiro janeiro, deverá ser um limitador natural do preço do etanol ao longo do ano.

Perante essa conjuntura, é de se imaginar um 2020 bastante positivo para o complexo sucroenergético, pois as condições climáticas apontam para uma safra canavieira bastante rica; o etanol, que embora poderá enfrentar a pedra no sapato de uma gasolina baixa, terá o RenovaBio como uma poderosa arma para enfrenta-la e uma mercado internacional açucareiro que no pior dos casos vai remunerar com uma margem mínima os seus produtores.

A praia está linda, contudo o mar está revolto, sendo muito recomendado ter uma tragédia eficiente e rápida de mudança nos planos preparada, pois quando menos se esperar um enorme e mortífero tsunami pode chegar trazendo o caos ao paraíso.